Poema

Soneto do Reencontro com Deus

Tão distante, ó Pai, que estou de ti
Que de meus pecados não mais me arrependi
Mas sei, Senhor, que hei de te encontrar
Assim como fazem o céu e o mar

Porque me fizeste para o amor
Essa mais perfeita fatalidade
Que me tira de meu estupor
E me põe rumo à eternidade

Rogo, pois, que eu me eleve
Que minha alma se torne leve
Sem amarra, sem qualquer corrente

E que minha mente, antes descrente
Perceba-te, ó Pai, em tua grandeza
Com amor e com toda pureza

Compartilhe isso:
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
Comentários desativados em Soneto do Reencontro com Deus
%d blogueiros gostam disto: