• Narrativa

    A História de Cléber

    O Manual do Caçador Cap. 1  A caçada aos subterrâneos. Vários barulhos, cantorias e brigas inundavam a taverna velha iluminada pela luz do sol onde várias raças diferentes se juntavam para beber e se divertir. Cléber, sentado em uma cadeira do balcão em frente ao dono da taverna, suspira e diz. – Me vê mais um co… – Cléber é acertado pelo soco de um anão. Em poucos segundos, a taverna inteira estava repleta de socos e apostas até que um guerreiro com uma armadura brilhante feita de um metal preto reluzente entra. Neste momento, a única coisa que dava para ouvir na taverna era o silêncio e os passos…

  • Narrativa

    O Peregrino

    *Este é um conto baseado nas obras de H.P. Lovecraft. Em um canto qualquer do Brasil, em 1911, um pequeno distrito da região sudeste do país se tornou independente devido ao tráfego. Viajantes passavam pelo distrito em direção à Aparecida do Norte, uma longínqua cidade, e aproveitavam do pouco que a região provia. O ponto que mais se destacava na vila, de fato, era a igreja, construída por um cônego que se estabeleceu ali. Com o tempo, outros peregrinos e fazendeiros passaram a residir na região e formar um povoado, originando a cidade de Campestre. Certa vez, um peregrino chegou à cidade, pálido e extremamente cansado. Ele se intitulava Abdul…

  • Narrativa

    Pecados de Inverno

    Sentiu-se exausta, sua alma parecia clamar por descanso, quando fechou a porta atrás de si. Os passos pareciam pesados e lentos demais para alguém que havia insistido em um salto alto com tamanha veemência. Sentia que o casaco sobre os ombros personificavam o peso imaginário que sentia sobre si todas as noites quando apagava as luzes do quarto e se deitava com os monstros que rodavam em torno de sua cabeça. Do lado de fora do prédio, pôde ouvir o vento uivante anunciando que a noite seria fria, quando atingiu a portaria. Uma voz em sua cabeça implorou para que ela retornasse ao seu apartamento, retirasse aquela máscara e aquela identidade…

  • Narrativa

    Um dono de bar qualquer

    Bom, tudo começa em Copacabana, no Rio de Janeiro. Bem lá nas vielas de Copacabana, existe uma família que é composta por três pessoas, seguindo o padrão do Brasil. Temos o casal: Gérson Pereira Leite, Júlia Reis e também o filho Arthur Pereira. Gérson conheceu Júlia em uma esquina perto de seu bar. Até tinha esquecido de mencionar, ele é dono de um bar pequeno na rua principal de Copacabana, e Júlia era garota de programa, sei que não é uma profissão muito boa, mas era assim que eles viviam. Gérson a conheceu alguns anos atrás, quando estava indo embora para casa, depois de um dia cansativo de trabalho. Era…

  • 15 Cartas Sobre Você,  Narrativa,  Série

    15 Cartas Sobre Você: Carta Dois

    A cidade já começava a acordar e, sentada na sacada, Grace deixou que o calor do café na xícara aquecesse suas mãos gélidas e o roupão felpudo a envolvesse como um casulo. Os cabelos castanhos claros e encaracolados presos em um coque frouxo, alguns fios rebeldes se desprendendo e caindo em seu rosto. Grace jamais estaria nos padrões de beleza impostos pela sociedade, mas era dona de uma beleza exuberante e tão natural. Tinha o rosto em formato de coração, maçãs do rosto bem desenhadas, um belo par de olhos violeta, e uma boca consideravelmente grande, afinal, como 15 gostava de ressaltar, não como uma ofensa, sua boca “cobria metade…

  • 15 Cartas Sobre Você,  Narrativa,  Série

    15 Cartas Sobre Você: Carta Um

    Sentada na cadeira de madeira marrom escura, acolchoada, a mulher ignorou o som do disco que tornava a tocar na vitrola. Na verdade, ela até gostava, fazia com que os sentimentos fluíssem de forma, talvez, mais reconfortante e livre dentro dela. Permitiu que a caneta deslizasse por entre seus dedos e sua ponta tocasse a folha de tom já amarelado, tornando a cena vintage, a seu ver, até que meros rabiscos começassem a virar palavras, talvez não tão doces como deveriam ser, no entanto vinham de dentro dela, eram os sentimentos presos em sua alma, em uma turbulenta luta com suas memórias, nem tão distantes como pareciam ser. Respirou fundo…

  • Narrativa

    Cúmplice do Universo

    Caio acordou, abriu seus olhos azuis turquesa, visualizou as constelações presentes no teto de seu quarto – uma pessoa apaixonada pelo espaço, o mínimo a se esperar, é representar essa paixão por meio da criatividade – levantou-se, ao se ver frente ao espelho do banheiro, imaginou o quanto sua vida poderia ter sido diferente, caso, naquela noite fatídica, ele não tivesse se acovardado com os acontecimentos. Na festa, Caio observou a distância a linda garota, cabelos castanhos, sorriso contagiante e olhos encantadores. Luíza, esse era o nome daquela elegante mulher que iria mudar toda sua história. Caminhou até ela e, aproximando-se, percebeu em seus olhos uma escuridão, via-se a tristeza…

  • Narrativa

    Troca

    Quando você se encontra velho e surrado, sente-se amassado e prestes a rasgar. Quando você se sente sujo e com pouco valor, com pouco amor. Quando você se sente assim, você se sente inclinado a contar a sua história, tudo, desde o início, quando era apenas uma folha em branco, sem nenhuma impressão e personalidade, quando era puro e imaculado, e ainda não conhecia a ganância do mundo. É assim, meu caro amigo, que a minha vida começou. Eu nasci ao lado de milhares de irmãos, todos idênticos e animados, ansiosos para sua primeira impressão, o marco da vida de todos como eu, quando passamos a possuir algum valor. Nós,…

  • Narrativa

    Born To Die

    Durante quatro longos anos, Ryan MacKechnie havia se escondido no dúbio conforto das sombras de sua alma, julgando ser o único lugar digno para a imagem monstruosa que criara de si mesmo. Sentado no banco do Dodge Charger 1968, deixou que o cigarro dependurasse no canto de seus lábios e ignorou a brisa gélida e cortante, que entrava pela janela, bater contra seu rosto. A fumaça se desfazia no ar assim como toda e qualquer esperança que um dia havia habitado no pobre rapaz. A cena poderia soar irônica diante os fatos, no entanto a única coisa que ocupava a mente do homem de cabelos negros, jaqueta de couro e…

  • Almas do Intelecto,  Narrativa,  Série

    Almas do Intelecto – Cap. 1

    Lá estavam, as pequenas almas pensantes, ao redor de um paredão complexo e enigmático. O ar era gélido e havia poucos feixes de luz. A única luz que entrava no ambiente era a da vidraça, no teto, em um formato circular. Essa luz revelava o semblante do local: prateleiras e mais prateleiras, carregadas de livros, escadas que pareciam se aprofundar em um abismo. Um ambiente calmo, no entanto, desolador.  Estavam encarando as estantes, procurando por algo. Seus corações palpitavam, seus rostos revelavam uma ígnea tristeza, e por fim, estavam sozinhos. A única proteção que possuíam eram seus mantos longos de cor gélida. O garoto segurava um lampião que conseguia iluminar…