Livra-me

O Homem é um reflexo de padrões predispostos pela sociedade, os quais a tudo rotulam como certo ou errado com base em seus bancos de dados, cujos dados competem padrões. O Oprimir é tratado como o verbo dos frescos e enjoados, pois “já não existe esse tipo de atitude, o máximo que ocorre atualmente são apenas brincadeiras”; os que se […]

Continue lendo

O Manifesto

O garoto que nascera em mim, em tão mísero tempo de convivência, germinou em meu eu seco e álgido. Uma mudança, da qual sempre tive receio, aconteceu de maneira excessivamente agradável. Derreteste minha frieza e regaste-me em minha natural terra seca, fazendo brotar então um ser novo em mim. A abdicar de meus pensamentos para poder querer-te, coloquei em cheque […]

Continue lendo

Tchau “Eu”

Já não há em mim a insistência de antes Agora já vejo findarem desilusões Encontrar-me-ei comigo mesmo Ninguém poderá me julgar Pois estarei sozinho Imerso em minhas ideias Não haverá porque esconder meus pensamentos nas noites escuras Pois não haverá  luz ou trevas Haverá ideias Não terei de abafar o pranto em um travesseiro macio Pois estarei com as lágrimas que […]

Continue lendo

II- A Vítima e Sua Utópica Lágrima

PARTE II Todos fomos ver o que poderia ser, sendo direcionados ao porão,  deparamo-nos com uma cena horrenda. A mulher encontrava-se em estado de putrefação e  havia marcas de unhas nos degraus da escada que levavam à porta, esta também arranhada. Ela estava sentada, posição que revelava obviamente a percepção de que nunca sairia viva daquele porão. Seu rosto e […]

Continue lendo

I- A Vítima e Sua Utópica Lágrima

PARTE I Solicito-lhes grandiosa atenção à adjacente história aqui situada, a qual está a atazanar meu sono desde os primórdios de minha “maturidade”. Nutro tal “devaneio”, o qual não creio provir de peripécias ou fantasias, mas de incidentes recorrentes. A parte que lhes escreve é o sucinto lado do meu âmago, que suplica isenção da venda obscura que o cobre. […]

Continue lendo
1 2