IFConnect > Visão do Autor > A cultura do ignorar

É notável o problema do brasileiro em não encontrar conteúdos culturais ou em não procurar. A cultura é considerada quase uma regalia de ricos e privilegiados. Esse fato é justificado de diversas formas e possui abordagens bem divergentes sobre quem é o “responsável” e como poderia resolvê-lo.

É comum responsabilizar o Estado pela falta de comparecimento e participação das classes D e E em eventos culturais, porém, com uma análise mais profunda do assunto essa afirmação se torna rasa e simplória, pois o problema envolve muitas outras vertentes além do governo em si. É plausível dizer que em grande parte das cidades não há museus ou ambientes de entretenimento cultural, entretanto, também é correto afirmar que as cidades que possuem estes estabelecimentos, não conseguem mantê-los por falta de verbas e envolvimento da própria região.

Os representantes da nação brasileira podem ser culpados pela falta de acessibilização ou manutenção de ambientes socioculturais, todavia, não possuem nenhuma autonomia para mudar o interesse da população pelas ações culturais. O sucateamento da cultura não se deu apenas pelos governos políticos que se instauraram no país, mas já é um senso comum dentro da mente da população brasileira. É possível dizer que ser ignorante já é um processo cultural.

A transferência de responsabilidades pessoais/sociais para instituições governamentais não resulta em mudanças significativas ou solução de questões. O desinteresse pelas instalações já existentes dá aos políticos a justificativa que eles queriam para sucatear ainda mais esse setor. O processo de reconhecimento da importância da cultura na educação popular é lento e necessita de movimentos sociais ou ações que levem à conscientização desse tema.

Em um Estado democrático, no qual os governantes representam seus eleitores, torna-se bem mais fácil o trabalho da cobrança da manutenção ou criação de espaços culturais, desde que haja uma população que realmente se importa e frequenta os espaços já existentes.

Compartilhe isso:
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.