DISK-HORA

“E se a necessidade fosse do tamanho do pensamento?
E se a minha roupa desfiasse e voltasse para o novelo?”
E se a beleza fosse o sentimento?
E se o racional for esquecê-lo?
“E se a providência valesse menos que a farofa jogada ao vento?
E se o meu irmão viajasse para longe e eu nunca mais tornasse a vê-lo?”
E se a inquisição for essa infusão?
E se aí estiver meu inteiro?
“E se meu cão conversasse comigo em alemão?
E se a felicidade tivesse preço, quanto valeria o dinheiro?”
E se em nímio eu mudasse?
E se de naipe de paus for a sua pelice¹?
“E se a boca ao morder não mais fechasse?
E se a cola ao colar unisse?”
E se ávido eu me visse?
E se intangível você fosse, o amor persiste?
“E se eu assinasse tudo que já disse?
E se ao sorrir a minha alegria fosse triste?”
E se o rasto de ti for largo?
E se o beijo apetecer?
E se eu gostar desse marco amargo?
E se um toque me derreter?
E se sobriamente for seu?
E se é o teste feliz que Deus me deu?

Vocabulário: Pelice¹:Desdenho.

REFERÊNCIAS: GUIMARÃES Caê, Por Baixo da Pele Fria.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *