Geração Mimimi

Sejam bem-vindos ao programa de hoje.

Vamos explorar e conhecer as características mais curiosas da sociedade mimimi, nomeada em homenagem ao sociólogo francês Jean Mememee. Seus habitantes não ocupam espaço físico, manifestam-se dos instintos mais inconscientes dos seres humanos. Habitam a terra sem lei chamada internet.

Em uma sociedade tão regrada e com algemas tão pesadas, os habitantes da sociedade mimimi se manifestam como alter-egos dos humanos, tomam conta das suas mãos e falam, quer dizer, digitam coisas que uma pessoa em sã consciência jamais conseguiria dizer em público. Linguistas experientes nos mostram que em seus vocabulários podemos definir claramente a segregação dos grupos mimimi, a exemplo: Os que comumente brandam “MACHISTA OPRESSOR!” não conseguem conviver pacificamente com os “MITO! MITO! MITO!”.

O ponto de encontro favorito dos mimimi é a facebooklândia (conhecido por nós como facebook), reúnem-se secretamente nos grupos de zapzap (WhatsApp) e costumam fingir que são humanos no Twitter.

Outra característica interessante dos mimimi é a rivalidade política, sabemos que a política humana é algo complexo, mas que se estudado com afinco ou se acompanhamos mídias de várias perspectivas, conseguimos entender com clareza como funciona. Enquanto a sociedade mimimi tem suas próprias mídias de política que se baseiam na política humana mas não possuem laços concretos com a realidade. É comum para o povo de mimimi estudar política através de memes e sites de origem mimimi.

Fato interessante sobre os mimimi é que este lapso não se resume apenas em estudos políticos, estudos filosóficos também são extremamente desvalorizados. Os mimimi declarados liberais acreditam que o estado deve restringir as liberdades sexuais e éticas, enquanto apenas a liberdade econômica (que não os afete) pode ser praticada, outros ainda veem a qualquer um que não concorde com ele como errado.

Hoje, a sociedade mimimi passa por uma guerra civil, de um lado temos o exército dos “esquerdopatas” e do outro temos o lado dos “coxinhas”. Claramente, como já analisado, essa guerra está sendo impulsionada por seres humanos que tensionam as relações mimimi. A guerra civil mimimi gera uma névoa de informações falsas muito densa e isso afeta as linhas de comunicação humana. Como cultivar um diálogo saudável entre partes se a todo momento o nosso ser mimimi é atiçado a tomar forma? Esse é o principal desafio das novas mentes da sociologia mimimi.

O que são os robôs do Bolsonaro? O que é uma bicha biscoitera? A mutação do termo “tóxico” na sociedade mimimi. Tudo isso no próximo episódio.

Boa noite.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *