QUANTO TEMPO O TEMPO TEM?

Não pude escrever minha crônica no último domingo. Chegou a noite da sexta e não pude. Nem durante a madrugada do sábado seguinte consegui preparar o escrito. Não por falta de assunto, claro. Esse ainda havia. Sempre há assunto. Os que escrevem sabem que não falta o que dizer quando se quer escrever. Não faltou mesmo o que escrever, juro. O meu problema foi a falta de tempo.
Foi-se o tempo em que vinte e quatro horas eram o suficiente para fazer tudo o que a vida moderna nos exige. Temos hora certa para acordar, comer, trabalhar e dormir, mas não nos resta sequer um minuto para respirar. Oito horas de trabalho, oito horas de lazer e oito horas de sono? Ha-ha!
O tempo é mais bem gasto quando se transforma em doze horas de trabalho, oito de stress, e outras quatro de trânsito. Aposto que se perguntou o mesmo que eu, quando comemos e dormimos, já que as vinte quatro horas acabaram?
A única solução que me ocorre é fazer várias dessas coisas ao mesmo tempo.
Tomar banho frio com a boca aberta, assim você toma água e, logo depois, seu café da manhã enquanto troca de roupa.
E que tal dirigir enquanto conversa com a sua mãe? Sofrer um acidente e atrasar as outras pessoas não faria mal algum, afinal, eles já estavam quatro horas atrasados mesmo. Depois do seu acidente você pode aproveitar e descansar em um coma profundo enquanto é socorrido pelos médicos.
E por Deus! A falta de tempo não me permitiu lembrar das pobres e ingênuas criancinhas, que já nascem tendo que aprender a falar português, inglês, espanhol e alemão sem ao menos saber conjugar o verbo “brincar”. E não para por aí, elas ainda têm as aulas de balé, violão e piano depois das quase dez horas de escola e projetos extracurriculares que têm que enfrentar. Será que algum dia terão tempo para aprender a andar?
Chego a me perguntar se um dia terei tempo para fazer um bom final para as minhas crônicas, mas não me preocupo com isso por agora, aposto que você não teve tempo para chegar até aqui.

4 comentários

  • Que orgulho! Afilhada mais linda! 😍

  • Maria Julia Milholo Abreu

    Maravilhoso

  • Parabéns pela crônica, e quando vi que era sobre o tempo….. pra mim foi mais que especial. Amamos você.
    Sucesso!

    Ps.: Prof Bruno também merece os parabéns pela dedicação com seus alunos.
    Abraço.

  • Sabe aquela avó que não é avó de sangue,mas avó do coração? Pois é essa sou eu , a avó mais cheia de orgulho que alguém pode imaginar e mais um pouco. Estou muito orgulhosa de você minha pequena Victoria Abreu, seu que quem ler esse texto já pode imaginar o seu potencial e ter certeza de que VC vai longe, e é isso mesmo o mundo não terá limites para vc minha doce criança.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *