PEC 241 – O que eles querem.

Política sempre foi motivo de repúdio para mim, sinônimo de sujeira e desonestidade. Além disso, nunca consegui expor minhas opiniões sobre esse assunto, pelo fato de que nem todas as pessoas respeitam opiniões diferentes, por isso, na maioria das vezes, prefiro me calar, mas todo cidadão deve lutar por seus direitos e ideais. Tendo em vista os últimos acontecimentos, percebi que a hora de “colocar a cara a tapa” havia chegado.
O Brasil, ao longo dos últimos anos, vem passando por momentos complicados e os que mais sofrem com toda a desorganização e má gestão do governo são aqueles que fazem parte da classe mais baixa. Falar das filas dos hospitais e das péssimas condições na maioria das escolas já parece um assunto clichê, porém nas últimas semanas, esses dois pilares vieram ser motivo de discussões, novamente.
A PEC 241, bastante polêmica, vem sendo discutida e está passando pelos processos de aprovação, só que muitas pessoas nem sabem do que ela se trata, como funcionará e ainda, o que é uma PEC. Como alguém pode decidir sua posição sem ao menos entender o que é e o que se passa? Para isso, algumas coisas serão esclarecidas aqui.
Uma PEC (Proposta de Emenda Constitucional) é um instrumento de exercício de democracia usado para mudar algumas partes do texto constitucional e pode ser solicitada por diferentes posições públicas como, deputados, senadores, presidentes e por Assembleias Legislativas. A aprovação de uma PEC passa por vários processos e pode ser alterada, indeferida ou negada ao longo desse percurso.
A PEC 241, supostamente, solicita uma maior fiscalização fiscal, já que o nosso país se encontra em crise, o que a mídia expõe é que será algo bom e que cortará gastos ditos supérfluos o que, consequentemente, salvará o Brasil da crise. Parece a solução para os problemas que o nosso país possui? Para alguns sim, mas o que eles pedem e tentam mascarar é que a maior parte dos cortes são dos repasses destinados à saúde e à educação. Infelizmente, nossos governantes não veem a educação como investimento, nem a saúde de qualidade como algo que toda pessoa tem direito.
As medidas que serão tomadas, caso essa proposta seja aceita, durarão 20 anos, mas podem ser prorrogadas por tempo indeterminado e, caso sejam desrespeitadas pelas instituições,  ainda impedirão a abertura de editais de concurso, a contratação de funcionários terceirizados e novas solicitações de auxílios para a instituição. E isso para aqueles que propõem a PEC, também será solução para o desemprego. Será mesmo?
Vejo cortes na saúde, na educação. Vejo a segurança quase inexistente e pessoas sendo abandonadas ao relento pela administração do país, o que eu não vejo é uma redução drástica nos salários dos nossos governantes, o abandono dos seus carros de luxo e as outras regalias que eles possuem, e depois a verba que mantém as instituições é que é desnecessária.
O problema é que as pessoas que estão à frente e deveriam nos representar não nos representam. Eles não veem a saúde e a educação como algo importante. Manipulam e muitos se deixam manipular. Não querem investir na educação porque gente inteligente critica, não tem medo, vai atrás e se opõe. ELES querem pessoas retardadas e manipuláveis e ainda somos obrigados a ouvir dos nossos excelentíssimos deputados que : “Quem é pobre não faz faculdade” ou ainda “ aquele que reclama do atendimento público devia se cuidar mais para não sobrecarregar o SUS”.
Como defender essas opiniões? Como nos calar?  Um cidadão não perde nenhum direito por lutar por outros! Um cidadão tem direito de se manifestar e de exigir mudança! Está na hora de acordar e lutar pelo que é nosso!

 

Assista ao vídeo do deputado que diz os absurdos citados no texto :

(Ah, e se quiser ler mais sobre esse mesmo assunto, mas com um ponto de vista diferente, por favor clique aqui – e, independente do seu ponto de vista, mantenha uma postura firme e consciente: é o que está mais em falta nesse país!).

Um comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *